Em Brasília, Maria Cecilia participa de reunião sobre formação continuada para professores

Campo Grande (MS) – O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) promoveu nesta quarta-feira (15) o primeiro encontro do GT de Formação Continuada de Professores, em parceria com o movimento Todos Pela Educação. O grupo de trabalho é coordenado pelas secretárias estaduais de Educação de Mato Grosso do Sul, Maria Cecilia Amendola da Motta, e do Rio Grande do Norte, Cláudia Santa Rosa.

“O que seria ideal para orientar o professor na sala de aula, para que ele possa obter êxito na aprendizagem do aluno? Essa é a grande questão que procuramos responder”, destacou Maria Cecilia, para quem é preciso construir um documento com orientações sobre como fazer formação continuada de professores, com foco no estudante.

“Não temos outro caminho. Todas as políticas que vem para contribuir, para qualificar o processo de ensino e aprendizagem, passam pelo professor. Para que a relação entre o estudante e o objeto de conhecimento seja mantida, precisamos materializar um conjunto de orientações didático-pedagógicas atualizadas, em sintonia com as grandes demandas colocadas na atualidade pela educação”, declarou Santa Rosa.

O encontro do GT de Formação reuniu técnicos de 27 secretarias de estado e do Distrito Federal, além de representantes da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), e da presidente do movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz. Para ela, trabalhar pelo professor é a política mais importante da educação, “porque não há possibilidade de conseguirmos qualidade de ensino se não melhorarmos o apoio ao professor. Logo, devemos fazer um trabalho coordenado, se antecipando à implementação da Base Nacional Comum, para que as coisas não aconteçam de forma atropelada”.

Sobre os trabalhos do GT, o diretor institucional do Consed, Antonio Neto, explicou que será feito um levantamento sobre as estruturas de formação nos estados e municípios, pensando na possibilidade de uma proposta para o contexto da Base Comum. “A ideia é que ao final, tenhamos um posicionamento claro sobre como deve caminhar a formação no País”, concluiu.